Video Games
Critics' ChoiceMost Addicting
0comentários

Game Review: Manhunt 2

por em 5 de abril de 2015
Detalhes
 
Sinopse

Um experimento em uma instalação de pesquisa secreta deu catastroficamente errada. Daniel Lamb e Leo Kasper são os únicos sujeitos sobreviventes. O Projeto Pickman não parará por nada para caça-los e parar a verdade de vir a tona.
Gritos dementes ecoam pelo manicômio úmido que lhe prendeu por 6 anos. Você abriu os olhos. Um corpo de jaleco branco jaz no chão pelas suas mãos que tremem. Uma seringa ensanguentada cai por seu braço. Ondas de confusão e paranoia passam por você. Você não sabe quem você é e como você parou ali.
A porta da cela se abre. Uma escolha. Uma chance. Eles tomaram sua vida. Hora de tomá-la de volta.

Série/Franquia

Manhunt

Diretor/Produtor

Rockstar

Data de lançamento

Outubro de 2007

Avaliação do Editor
 
Jogabilidade
8.6

 
Gráfico
8.5

 
Modo Single Player
9.2

 
Modo Multiplayer
0.0

Pontuação Total
8.8

Deslizar para avaliar
Avaliação do Usuário
 
Jogabilidade
10

 
Gráfico
8.3

 
Modo Single Player
10

 
Modo Multiplayer
0.0

Pontuação do Usuário
3 ratings
7.1

You have rated this

 

Hoje falarei do jogo mais polêmico, da empresa mais polêmica de todos os tempos: Manhunt 2. Proibido em uma centena de países, causa mortis de centenas de pessoas (só que não), Manhunt 2 entrou para as páginas negras da história dos vídeo-games. Confira a resenha!

Desenvolvido pela gloriosa Rockstar (Grand Theft Auto, Red Dead Redemption) e distribuído pela Take-Two Interactive (GTA, Red Dead Redemption, Bioshock), Manhunt 2 é um jogo fofo pra se jogar com a vovó, vovô, pai, mãe, filhinho de 3 anos de idade tudo na sala de ação e stealth e um pouco de survival horror lançado em outubro de 2007 para PC, Wii, PlayStation 2 e PlayStation Portable, versão que possuo e joguei.

Capa de Manhunt 2

Capa de Manhunt 2

Visual

O mundo em Manhunt é escuro, sujo e macabro. E isso foi muito bem retratado no jogo. Temos vários ambientes bem detalhados que trabalham bastante com a escuridão (que, por sinal, é sua melhor amiga no jogo). Lembrando que o jogo é de 2007, então os gráficos são bonitos pra época e pra plataforma lançada.

São, ao todo, 15 capítulos mais 1 bônus, então temos 16 cenários bem diferenciados uns dos outros. Passamos por manicômio, boates, bairros residenciais, fazendas, esgotos e muitos outros lugares.

A dublagem é boa. Passa bem as emoções sentidas no momento, como medo, raiva e desespero. A música é inexistente, dando um clima de tensão comum nos survival horror.

Sinal sobre a cabeça indicando a intensidade da execução.

Sinal sobre a cabeça indicando a intensidade da execução.

Jogabilidade

Manhunt é um pouco diferente do que estamos acostumados a encontrar em outros jogos. Daniel consegue andar, correr, se abaixar, se esconder na escuridão, arremessar objetos para despistar os inimigos, bater, atirar e executar.

A parte da execução é o diferencial do jogo. Quando você se aproxima de um inimigo sem que ele o perceba, um símbolo aparecerá sobre sua cabeça. Aqui você pode pressionar o quadrado para executá-lo. Entretanto, é possível segurar o botão para intensificar a violência da execução. Existem 3 níveis de violência. A execução direta, a execução com violência excessiva e a execução com violência extrema.

Como o jogo foi proibido em uma centena de países (isso é sério, não foi hipérbole), a única forma que a Rockstar conseguiu para vender o jogo é fazer uma versão censurada. Caso você possua o jogo original ou viu em alguma loja, certamente é a versão censurada.

A dificuldade do jogo depende mais de sua paciência que de suas habilidades. Em alguns momentos é mais interessante passar correndo sendo alvejado, mas chegando do outro lado com um pouco de vida, a esperar um tempo interminável até algum inimigo abrir margem para uma execução.

Por falar em passar correndo, o primeiro jogo era basicamente em stealth, enquanto Manhunt 2 é bem variado. Temos momentos de mortes silenciosas e momentos de tiroteio. E, a menos que possua alguma arma de fogo, recomendo fortemente optar pelas mortes silenciosas. Com relação aos corpos, nem se preocupe tanto, os inimigos são assassinos frios que irão esquecer logo que viram algum companheiro morto no chão e deixarão de procurar você.

História

Aqui o jogo brilha (Sério? Não eram nas execuções?). Quando iniciei a campanha esperava carnificina pura com uma história meia boca só para justificar o cenário. Mas a Rockstar me surpreendeu e trouxe um enredo forte e envolvente. Depois de certo ponto fica até previsível, mas exatamente aí que você é totalmente fisgado pelo personagem e fica com sangue no olho pra ir até o final.

É difícil falar da história de Manhunt 2 sem soltar algum spoiler, mas vou tentar: Daniel Lamb acorda em uma cela dentro de um manicômio sem saber como foi parar lá ou mesmo quem é. O sistema elétrico falha e um colega de detenção, Leo Kasper, instiga Daniel a sair de lá para a liberdade. Daniel no início fica apreensivo com as possibilidades. O medo trava Daniel, mas Leo o instiga a continuar para realizarem a fuga do sanatório.

Mesmo sem saber para onde ir, Daniel foge com Leo e juntos tentam sair do alcance dos braços do Projeto (é, esse é o nome da empresa). Enquanto isso, vários capangas do Projeto os caçam e tentam levá-los de volta para as celas do manicômio.

O que inicialmente se torna um simples Matar ou Morrer acaba ganhando profundidade e uma tentativa de Daniel de reaver sua vida e suas memórias onde nada é o que parece ser. Apesar de parecer superficial, eu não posso falar nada mais ou acabará com a campanha de alguém.

Custo/Benefício

Manhunt 2 é um jogo relativamente antigo, mas que ainda é facilmente encontrado a venda. Para os que tem estômago para tal, certamente é um jogo indicado. Pena ter sofrido tanto preconceito das nações (sim, eu queria a versão explícita). Graças ao enredo envolvente e ao carisma do personagem, minha nota para o jogo é 8.8.

E você, prezado leitor. Já jogou? Qual sua nota para o jogo? Também acha injusta a expulsão nos quase 100 países? Comente!