Video Games
Critics' ChoiceMost AddictingHeadshot Award
0comentários

Game Review: Borderlands

por em 10 de fevereiro de 2016
Detalhes
 
Tempo de Jogo

20 horas

Sinopse

Trave, carregue e enfrente a insanidade! Prepare-se para a insanidade como um dos quatro personagens dedos-felizes atirando em tudo que permaneça no seu caminho.

Série/Franquia

Borderlands

Diretor/Produtor

Gearbox Software

Data de lançamento

Outubro de 2009

Avaliação do Editor
 
Jogabilidade
9.4

 
Gráfico
8.4

 
Modo Single Player
9.0

 
Modo Multiplayer
9.2

Pontuação Total
9.0

Deslizar para avaliar
Avaliação do Usuário
 
Jogabilidade

 
Gráfico

 
Modo Single Player

 
Modo Multiplayer

Pontuação do Usuário

You have rated this

 

Hoje viajaremos por desertos escaldantes com criaturas bizarras e muito bom humor neste que abriu as portas do mundo dos jogos para mais uma grande franquia. Hoje falaremos de Borderlands.

Desenvolvido pela Gearbox Software (Half-Life e Duke Nukem Forever) e distribuído pela 2K (Bioshock), Borderlands é um jogo de RPG de ação com jogabilidade de tiro em primeira pessoa (FPS) lançado em Outubro de 2009 para Windows, OS X, PlayStation 3 e Xbox 360, versão que possuo e joguei.

Arte da capa do jogo.

Arte da capa do jogo.

Visual

Os gráficos de Borderlands são cartunizados, ou seja, com características de desenhos caracterizados pelas linhas de contorno grossas e cores vivas e variadas. O visual do jogo é bem bonito, apesar de monótono, afinal estamos em Pandora, que é um gigante deserto.

Apesar do comentário sobre a monotonia, não chega a ser algo a se reclamar. Afinal, estamos em um deserto. E nisso a Gearbox acertou. Conseguimos sentir a desolação em qualquer lugar que olhemos. A variação constante ao deserto que temos se resume a lixões e instalações industriais abandonadas. Em um determinado trecho podemos ver o mar também.

Os monstros são bem criativos e variados. Contudo, nossos inimigos são bem repetidos. Para não dizer que todos tem a mesma cara, existem as máscaras. Apenas vemos os rostos de NPCs e alguns chefes. Mas como falamos de um jogo de RPG em mundo aberto com respawn de inimigos, isso é mais que justificável.

Jogabilidade

Apesar de um FPS, devemos lembrar que o que temos aqui é um RPG. Então não pense que você vai arrasar logo de cara. Mesmo que sua mira esteja em cima do inimigo, é possível que você erre o tiro. No mais, é um perfeito RPG, com classes, levels e skills.

Visão do jogo, com informações de direção, munição, saúde, nível do personagem e dano causado.

Visão do jogo, com informações de direção, munição, saúde, nível do personagem e dano causado.

 

Dentre as classes temos: Roland (Soldado), Lilith (Sereia), Mordecai (Caçador) e Brick (Berserker). Cada classe possui uma habilidade exclusiva. Por exemplo, Roland pode invocar uma metralhadora robotizada para ajuda-lo nos tiroteios por uma quantidade de tempo.

Quando passamos de level, ganhamos um ponto de Skill. Esse ponto pode ser gasto em 3 árvores: Habilidade, Ataque e Defesa. Em habilidade os pontos servirão pra melhorar sua habilidade, aumentar o tempo que a habilidade fica ativa e outros efeitos extras. Ataque refere ao seu dano e ao seu acerto, incluso aqui a possibilidade de crítico. A defesa melhora a saúde, reduz o dano recebido e melhora a regeneração de HP, entre outras coisas.

Da esquerda pra direita temos: Roland, Lilith, Mordecai e Brick.

Da esquerda pra direita temos: Roland, Lilith, Mordecai e Brick.

Temos também as afinidades com as armas. Quando utilizamos muito uma SMG, a afinidade com SMGs aumenta. Com o aumento da afinidade você ganha bônus com aquela arma. Os bônus podem ser de acerto, de possibilidade de crítico, de dano, entre outros. Cada classe de armas possui sua linha de bônus.

A dificuldade do jogo é relativamente alta. Mas se você lida bem com RPGs, ela não será problema depois de algumas horas e alguns upgrades. Ao todo, temos um jogo que dura mais de 15 horas. Algo em torno de 22 a 24 horas se bem explorado.

História

Antes de falar da história em si, falaremos do antes:

Uma mega corporação chamada Atlas Corporation encontrou um cofre (vault) no planeta Prometheus que continha tecnologia alienígena altamente avançada. O que permitiu que a Atlas passasse suas concorrentes rapidamente. Ouvindo sobre rumores de antigas construções alienígenas no planeta Pandora, Atlas foi rapidamente chegar se havia outro cofre. Contudo, quando Atlas chegou ao planeta, ele estava no ciclo invernal. Quando a primavera chegou e os “nativos” acordaram de sua hibernação, a Atlas acabou sendo sobrepujada e fugiu do planeta abandonando a busca pelo cofre.

Atraída por rumores de vastos depósitos de minerais, a mega corporação chamada Dahl Corporation enviou várias naves de colonização para o planeta Pandora. Enquanto realizava suas minerações, a Dahl também iniciou sua busca pelo cofre. A busca foi liderada pela Dra. Patricia Thannis, uma Xeno-arqueóloga (sim, a mesma que você ajuda no jogo).

Apesar de todos os seus colegas serem mortos e de ter ficado parcialmente louca (isso é visível em algumas missões secundárias onde devemos encontrar seus diários), Thannis consegue provas sobre a existência do cofre. Sabendo disso, Atlas envia sua força militar, chamada Crimson Lance para capturar Thannis e descobrir a localização do cofre.

Em face dessa invasão, a Dahl resolveu abandonar o planeta (mas só a parte da população que valia a pena) e para ferrar tudo de vez, simplesmente abriu os portões das prisões quando saíram. Até então o cofre ficou nas lendas de viajantes atraindo os chamados “Vault Hunters” (Caçadores de cofre) para o planeta.

 

Certo, agora ao jogo:

Borderlands se inicia após o abandono do planeta Pandora restando apenas alguns sobreviventes, a Crimson Lance e os perigosos psicopatas que estavam presos. Você chega ao planeta como um desses Vault Hunters no meio de toda essa bagunça. Após chegar à cidade de Fyrestone, você começa a receber mensagens de uma mulher misteriosa chamada Anjo da Guarda que lhe guia na missão de encontrar as chaves para abrir o cofre. E é aí que sua aventura começa.

Conclusão

Borderlands é um jogo divertido e rende bem sem ser cansativo, fora a possibilidade de jogar com mais 3 amigos. Atualmente é até difícil de encontra-lo, mas caso consiga, certamente é uma boa aquisição.

Minha nota para o jogo é 9.