Video Games
Critics' ChoiceMost Addicting
0comentários

Game Review: Ni No Kuni – Wrath of the White Witch

por em 10 de julho de 2016
Detalhes
 
Plataforma
Desenvolvedor
Tempo de Jogo

30 a 90 horas

Sinopse

Siga a Jornada mágica de um jovem chamado Oliver entrando em um mundo paralelo lindo e perigoso na tentativa de salvar sua mãe.

Série/Franquia

Ni No Kuni

Diretor/Produtor

Level-5 e Studio Ghibli

Data de lançamento

Janeiro de 2013

Positivos

Enredo Envolvente
Jogabilidade diferente
Arte belíssima
Trilha sonora excelente

Avaliação do Editor
 
Jogabilidade
9.6

 
Gráfico
10

 
Modo Single Player
9.8

 
Modo Multiplayer
0.0

Pontuação Total
9.8

Deslizar para avaliar
Avaliação do Usuário
 
Jogabilidade
8.5

 
Gráfico
10

 
Modo Single Player
7.5

 
Modo Multiplayer

Pontuação do Usuário
3 ratings
8.7

You have rated this

 

 

Hoje falaremos de um belíssimo RPG japonês resultado de uma parceria entre duas gigantes de mundos diferentes, uma do cinema e outra dos videogames. Hoje falaremos de Ni No Kuni: Wrath of the White Witch!

Desenvolvido pela Level-5 (Responsável pela série Professor Layton e Yo-Kai Watch) em parceria com o Studio Ghibli (Criadora de clássicos de animação como A Viagem de Chihiro e Cemitério dos Vagalumes) e publicado mundialmente pela grande Bandai Namco, Ni No Kuni é um jogo de RPG single player lançado em novembro de 2011 no Japão e em Janeiro de 2013 para o resto do mundo.

Ni No Kuni - Boxart

Visual

Animado pelo Studio Ghibli, Ni No Kuni possui um ótimo trabalho de arte com cenas totalmente animadas (sim, animadas. Não renderizadas) com uma excelente trilha sonora e uma ótima dublagem.

O gráfico do jogo em si também tem um aspecto animado, o que faz com que fique em sintonia com as cenas animadas. Os cenários são bem variados. Podemos explorar todo o mundo do jogo, o que nos dá acesso a montanhas, vulcão, deserto, florestas, ilhas tropicais, ilhas geladas, locais desolados e abandonados. Os locais diferem bastante entre si e possuem bastante detalhamento.

Ni No Kuni - In Game

Além de uma grande variedade de lugares, temos uma grande variedade de criaturas. São mais de 400 familiares, e isso fora os personagens humanos. Os familiares são dos mais variados tipos. Temos de tipo criaturas marinhas, pássaros, plantas, dragões, guerreiros, místicos, bestas e por aí vai. Todos bem detalhados e com comportamentos diferenciados.

As dublagens disponíveis são em Japonês e Inglês, com legendas em inglês (é, infelizmente nada de português). A qualidade das dublagens é ótima, traduzindo bem a personagem dos protagonistas. A trilha sonora é digna de palmas. Todas as músicas são ótimas, bem encaixadas e, as músicas das cenas são emocionantes. Simplesmente espetacular.

Ni No Kuni - Art Design

Jogabilidade

Esse é um dos pontos em que Ni No Kuni aperta. O jogo, na dificuldade Normal (só possui nível Normal e Fácil) é bem difícil para os que quiserem finalizar direto. Se você busca os 100% e já investir nisso durante a campanha, fica tranquilo. O jogo vai ser um passeio no parque.

Os combates são travados em turnos dinâmicos. Esses turnos duram por volta de 6 segundos, entretanto, não são universais. Ou seja, o turno de um personagem não é o mesmo do outro personagem. Cada ação toma um determinado tempo e leva um tempo para ser utilizada de novo.

As ações são: Atacar, usar magia (ou truque com a arma ou canção, dependendo do personagem), usar provisões, escapar e defender. Dos 4 personagens jogáveis, 3 podem ser usados no combate e cada personagem pode levar 3 familiares. As ações dos familiares são de atacar, defender e usar habilidades.

Ou seja: você controla 12 personagens direta e indiretamente. A forma indireta serve para facilitar o gerenciamento de tanta gente. Você pode determinar táticas para o combate. Elas podem ser não faça nada, mantenha a equipe curada, dê suporte, não use habilidades ou dê tudo de si. Você pode, também, programar para que eles foquem os ataques no alvo mais fraco ou no mesmo alvo que você.

Tela em um momento de combate com as informações sobre seu time na esquerda e sobre os inimigos na direita.

Tela em um momento de combate com as informações sobre seu time na esquerda, sobre os inimigos na direita e as suas abaixo.

Fora as táticas, existem botões de ordem instantânea. Esses botões são o quadrado e o triângulo que, durante o combate servem para que seu personagem peça a todos para defender ou atacar, respectivamente. Então, caso um inimigo utilize uma habilidade em área você pode rapidamente pedir para que todos defendam e, do mesmo modo, caso você cause um dano crítico em um inimigo e ele fique tonto, gerando assim uma chance (isso é sinalizado com um balão em cima do inimigo) você pode pedir para todos atacarem.




Os personagens possuem uma barra de vida e uma barra de energia que são compartilhadas com suas criaturas. Estas, por sua vez, têm uma barra extra: A de estamina. Esta terceira barra determina a quantidade de tempo que um familiar consegue ficar em combate.

Falando em familiares, eles também têm nível e podem evoluir bem como serem equipados. Cada espécie de familiar possui 4 formas. Recomendo fortemente que sempre utilizem familiares domados em sua primeira forma, pois assim como em Pokémon, um familiar evoluído pelo jogador é mais forte que um familiar domado já em nível alto. As formas são 1 de primeiro nível, 1 de segundo e 2 de terceiro. Do segundo para o terceiro nível você escolhe para qual das 2 formas ele irá. Cada uma tem golpes e fraquezas diferentes.

Ainda sobre os familiares, é possível fortalece-los de 2 formas (além da progressão por nível). Uma delas é equipando eles com itens. Armas, armaduras e acessórios. A segunda forma é alimentando eles. Cada alimento tem um tipo de benefício diferente, podendo aumentar ataque, defesa, precisão, esquiva etc. Cada tipo de familiar possui também um alimento favorito. Por exemplo, o Mite (familiar de Oliver) prefere chocolates. Caso você dê um alimento desse tipo, os corações que informam o nível de familiaridade vão se preencher. A cada coração preenchido, mais pontos poderão ser aumentados através de comida.

O primeiro familiar do jogo, o Mitey.

O primeiro familiar do jogo, o Mitey.

O jogo vai bem além dos combates também. Oliver é capaz de conjurar magias para resolver problemas. Pode, por exemplo, criar uma ponte para atravessar um cânion, pode levitar para evitar chão com armadilhas, pode criar uma lanterna para iluminar locais escuros e assim por diante. No cenário também é possível coletar itens que servirão de ingredientes para alquimia.

Alquimia: Em determinado ponto do jogo encontramos um gênio do caldeirão. Após vencermos esse gênio ele vira nosso, digamos, servo. Podemos utilizá-lo para fazer alquimia. As alquimias podem ser feitas usando receitas ou simplesmente juntando os itens (caso você já saiba a combinação correta). Lembrando: As combinações não são sugestivas, você tem que saber os itens e quantidades corretos para fazer a alquimia sem receita.

No jogo temos também missões secundárias. Podem ser de coletar itens, falar com alguém, realizar alguma alquimia ou restaurar o coração de alguém. Fora as missões secundárias, temos também missões de caçador de recompensas onde devemos enfrentar chefes espalhados pelo mundo. Essas missões nos dão dinheiro, itens e estampas de mérito.

As estampas de mérito vão preenchendo os cartões de mérito de Oliver. Esses cartões podem ser trocados no mesmo NPC que pegamos as missões de caçador de recompensas. Podemos pegar habilidades inúteis como pular (sim, pular não serve para nada, mas é divertido) como habilidades de grande ajuda, como aumento de orbs que os inimigos derrubam, aumento de experiência ganha e assim por diante. Cada linha de mérito só é aberta quando a anterior é totalmente preenchida.

Falando sobre os corações: Shaddar, o vilão do jogo, destruiu os corações das pessoas, assim, algumas pessoas sentem a falta de amor, de temperança, de esperança, de coragem e assim por diante. Oliver é capaz de pegar um pouco desses sentimentos com pessoas que os têm em demasia e compartilhar com os que tem o coração destruído para que possa ser restaurado.

História

Oliver é um garoto de 13 anos à moda antiga, muito educado e de coração puro, que morava com sua mãe. Um belo dia, seu amigo Phillip o convida para ver o novo carro que seu pai está montando. Ainda não estava pronto mas eles poderiam testar à noite (escondidos, é claro). Oliver, como todo bom garoto, mesmo sendo puro em seus sentimentos, resolve ir ver o novo Carro de Phill.

Durante o teste deles o carro quebra e Oliver é arremessado no rio. Nesse momento sua mãe, que com aquele sexto sentido de mãe havia acordado e procurado por Oliver, chega e pula no rio para salvá-lo. Após toda a comoção do ocorrido, a mãe de Oliver sente fortes dores no peito e é levada ao hospital, mas não resiste.

Agora sozinho e com um sentimento de culpa enorme, Oliver passa por momentos de profunda tristeza e desconsolo relembrando alguns momentos com sua mãe. Em um desses momentos Oliver chora e suas lágrimas caem no boneco que sua mãe havia lhe dado. Este boneco é, na verdade, Drippy, uma fada do outro mundo.

Drippy explica para Oliver que existe um outro mundo. Cada pessoa do mundo de Oliver tem uma pessoa correspondente nesse outro mundo. São as chamadas Almas Gêmeas. O que um sente, o outro, no outro mundo sente também. Logo, se a mãe de Oliver sentiu as fortes dores sem explicação alguma, isso significa que a alma gêmea dela sofreu algo terrível.

Oliver então parte em uma aventura através do outro mundo para resgatar a alma gêmea de sua mãe e assim tentar salvar a sua mãe. Durante o caminho, Oliver fará novos amigos que o ajudarão nessa missão.

A história de Ni No Kuni é bem simples mas muito bem contada e extremamente cativante e emocionante. Certamente um dos muitos pontos fortes do jogo.

Conclusão

Ni No Kuni é, na verdade, uma versão melhorada do jogo Ni No Kuni: Dominion of the Dark Djinn, jogo lançado para Nintendo DS apenas no japão. Wrath of the White Witch traz não só melhoras no sistema de combate como uma extensão à história, adicionando uma nova antagonista.

Apesar de ser um jogo animado e com uma temática bem, digamos, fofa, Ni No Kuni está longe de ser um jogo infantil. A complexidade do sistema de combate e de algumas missões secundárias farão até os jogadores mais experientes se esforçarem para se adaptar. O jogo demora cerca de 30 horas para ser concluído, mas creio que essa seja uma estimativa bem objetiva. Caso faça algumas missões secundárias e explore o mapa casualmente esse tempo passa facilmente das 40 horas e, caso busque os 100% (a famigerada Platina) esse tempo sobe pra mais de 80 horas. Eu mesmo levei 92 horas para a platina.

Resumidamente, Ni No Kuni é um ótimo RPG com uma história muito cativante e comovente, um excelente visual, uma exemplar trilha sonora e um gameplay que lhe deixa várias horas na frente com o controle na mão. O que mais se pode pedir?

Minha nota para o jogo é 9,8.