Descubra se você sofre de nomofobia

por em 8 de setembro de 2014
 

Você poderia imaginar que 57% das pessoas preferem abrir mão da comida por um dia, do que ficar sem seu smartphone por 24 horas e que outros 70% dizem que checam seus smartphones menos de 1 hora após levantar da cama? 89% das pessoas veem seu smartphone como algo muito além de um simples telefone e 12% ainda disseram que seus smartphones são suas posses mais importantes. Se você se encaixa em um desses perfis, fique atento, você pode sofrer  de uma doença chamada Nomofobia, o medo de ficar sem o seu celular.

namofobia

Esse tá sofrendo um bocado. :'(

A cada dia a tecnologia invade cada vez mais as nossas vidas, já temos celulares, relógios e geladeiras inteligentes, carros que andam sem ninguém a bordo e não vai demorar muito para surgirem roupas auto ajustáveis e tênis que se amarram sozinhos (temos até 2015,  ok Doc. Brown e McFly?). Tudo isso nos faz consumir tecnologia desenfreadamente e fica cada vez mais difícil separar o uso recreativo do que é realmente importante ou necessário para o momento e aí que o vício começa a se manifestar e atrapalhar a sua vida.

namofobia

Veja nesse infográfico da BemMaisSeguro.com, empresa que oferece seguros para celular até onde os tecnoviciados estão dispostos a ir para manter o vício:

vicio-em-smartphone

Veja mais sintomas da nomofobia

Bob Greene, correspondente e escritor da CNN fez uma lista de alguns sintomas dos nomofóbicos e veja se você se encaixa em mais algum:

  • Necessidade de checar o celular, mesmo que no meio de uma conversa (real) com outra pessoa;
  • Escrever mensagens de texto enquanto seu filho te conta sobre o dia na escola, por exemplo, e depois não lembrar de uma palavra dita por ele;
  • Ter a sensação de que algo não aconteceu de fato até que você poste no Facebook ou Twitter;
  • Sentir-se isolado ou ansioso por passar muito tempo sem acesso a Internet;
  • Perceber que mesmo quando a família está reunida no mesmo cômodo, cada pessoa está concentrada na sua própria telinha.

Você conhece alguém assim, ou é assim? Deixe sua opinião nos comentários

consumidormoderno.com.br