Livros
0comentários

Resenha: “Fisheye” de Kamile Girão

por em 21 de junho de 2017
Detalhes
 
Editora
Lançado em

2017

Nome original

Fisheye

Positivos

- Leitura gostosa;
- Personagens bem desenvolvidos;
- Diagramação incrível;
- Capa linda <3

Negativos

- Erro de digitação;
- Faz chorar ;-;

Avaliação do Editor
Pontuação Total

Deslizar para avaliar
Avaliação do Usuário
Pontuação do Usuário

You have rated this

Sinopse
 

“Meus olhos são como canudos, Mick, só me permitem enxergar por um buraquinho. E com o tempo, a abertura deles vai diminuir muito, até que a fenda deixe de existir.”

Aos dezesseis anos, Ravena Sombra descobre que não é perfeita: após um acidente numa festa, ela é diagnosticada com retinose pigmentar, uma doença sem cura que degenerará a sua visão gradativamente.
Com o mundo pelo avesso, a adolescente inicia sua jornada em busca do amadurecimento e da superação, numa narrativa intimista à procura de se entender e de se descobrir. Ao longo do caminho, contará com a ajuda do melhor amigo de infância, da sua implicante e carismática irmã, de uma velha polaroid com nome de música dos Beatles e de um violinista cuja pele é marcada por cicatrizes e os olhos de um azul infinito como o céu.
No meio de tanto caos, Ravena vai entender que crescer não é um processo fácil e que sim há beleza em enxergar o mundo do seu jeito peculiar e especial.

 

Se você observar minha estante no site skoob, vai ver que literatura brasileira não é o meu forte. Passei anos com imenso preconceito, e as vezes, esse preconceito ainda ressurge das cinzas, principalmente quando eu observo que muitos autores atuais não querem escrever para brasileiros: eles querem ser norte-americanos ou europeus. Isso me irrita muito. Quando pus as mãos no livro “Fisheye” da autora Kamile Girão, eu fiquei um pouco nervosa, com medo mesmo. Principalmente por ela ser minha amiga. O que eu iria dizer se fosse ruim? Vide minhas resenhas da série “A Caverna do Dragão”, e a minha tentativa de ler outros escritores brasileiros atuais, que terminaram em plena decepção. Mas não, “Fisheye” entrou na minha lista de livros favoritos, e eu faço questão de dizer os motivos.

Nem meu cabelo ofusca a beleza dessa capa senhor <3

A história se passa em uma cidade fictícia, onde a personagem principal, Ravena, é uma adolescente mimada, estuda em um colégio de elite, é popular, bonita, classe média alta, é rodeada de seguidores, ótima estudante, ótima filha. Ou seja, ela é perfeita. Ou assim ela se considera até que um acidente acontece, e ela descobre que vários problemas em sua vida eram causados por uma doença degenerativa nos olhos chamada retinose pigmentar (RP). A partir dessa descoberta, Ravena encaixa vários incidentes de sua vida e descobre que apesar de acreditar ser perfeita, sempre carregou esse enorme fardo, sem saber o que era ou que o tinha. E então sua vida muda completamente. Ravena se vê sozinha: as amigas a abandonam, seus pais não sabem lidar com ela, sua irmã a odeia, e ela não consegue se abrir com seu melhor amigo, Micael. Tudo parece estar desmoronando. Então ela conhece Daniel, um cara um pouco mais velho que faz bico de T.I no colégio em que ela estuda, e é conhecido por ‘queimadinho’ por ter parte do seu corpo cheio de cicatrizes causados por um antigo acidente. E apesar de não se conhecerem, ele é gentil e a trata tão bem, que a concha onde Ravena tentava se proteger começa a quebrar… E a partir daí a história destroça e esmaga seu coração, e depois dá para os cachorros comerem os pedaços. Mas depois eles regurgitam e você fecha o livro se sentindo feliz, triste, esperançoso, e completamente apaixonado.

A história é deliciosamente bem escrita, todo em primeira pessoa (exceto por um capítulo bônus que me fez chorar litros).

Pôster lindão que veio do kit de imprensa <3

Ravena tem um desenvolvimento incrível durante todas as páginas, e temos o prazer de acompanha-la nessa jornada. Os outros personagens são maravilhosos, muito bem desenvolvidos. Kamile captou muito bem a alma e a personalidade deles, e cada um serve também para inserir mais profundidade na trama, como o melhor amigo Micael (inclusive, deixo registrado que se a autora quiser fazer um spin off dele, eu vou amar); os pais da Ravena, relapsos e distantes, trabalhando a relação familiar deles em camadas sutis, sem atrapalhar o desenvolvimento da personagem principal; a irmã odiada e o relacionamento delas que vai amadurecendo, assim como amigas de colégio, o ex-namorado, e o mais maravilhoso, Daniel, que assim como Ravena, tem seus próprios problemas e dilemas, mas não deixa de ser um cara incrível, gentil e acolhedor, sendo uma parte muito importante para a narrativa (não somente como par romântico, mas como amigo mesmo).

A diagramação do livro está de encher os olhos, a capa está linda. Kamile Girão fez um trabalho maravilhoso. Amém. Claro, tem uma ou outra imperfeição no meio. Eu encontrei alguns erros de digitação, mas são tão esparsos e poucos que não atrapalham em nada (eu só reparei porque sou doida mesmo). E existem algumas poucas repetições de expressões que atacam meu TOC, mas tirando isso? Nada mais queridos. Podem se preparar: esse é um livro que vai sim encantar a todos que lerem pois é uma linda história sobre amadurecimento, pronta para encher seus olhos de lágrimas.

Um pouco sobre a autora

 

    Kamile Girão mora na cidade de Fortaleza/CE. É formada em Design Gráfico pela UNI7 e é estudante de Letras Português/Inglês pela Universidade Federal do Ceará. Sabe que adora muitas coisas e não descarta a possibilidade de estudar vários assuntos diferentes. Descobriu-se escritora independente cedo e, em 2011, lançou seu primeiro livro, Yume. De lá para cá, são três livros e um conto publicados. Divide a maior parte do seu tempo entre faculdade, escrita e a vida de freelancer.

Para saberem um pouco mais do trabalho dela:

http://kamilegirao.com/

http://matecomlimao.com/

Aproveitei um tempo livre da autora e pedi que respondesse algumas perguntinhas básicas. Enjoy!!

Euzinha: Como foi que surgiu o tema para o livro? Pode descrever um pouco sobre a descoberta e como foi o desenvolvimento dele?

Kami: Eu tinha acabado de ler “A Bela e a Fera” (o conto original) quando veio aquele estalo de que eu gostaria de fazer uma história sobre aparências e crescimento. E a ideia se desenvolveu partindo de uma premissa de uma garota que tivesse um sério problema de visão. A retinose pigmentar foi a sugestão de uma amiga querida, e precisei pesquisar a fundo a respeito dessa doença para poder desenvolver a história. Foram quatro anos imersa na vida da Ravena, quatro anos pesquisando muito e escrevendo sobre ela. Acho que nunca me envolvi tanto com um projeto quanto com Fisheye.

Euzinha: Quais as suas referências literárias?

Kami: Tem a Jane Austen e a Anne Rice, mas ultimamente tenho me inspirado muito no Hans Christian Andersen para escrever.

Euzinha: O livro tem uma playlist, certo? Como foi a escolha dessas músicas?

Kami: Eu sempre escrevo com música, é uma relação muito antiga! Não consigo fazer de forma diferente. E com Fisheye as coisas aconteceram muito no estalo: letras que lembravam a história, amigos que indicavam…

(link para a playlist, cliqe aqui)

Euzinha: Como tem sido lançar um livro no Brasil? Tem algum retorno financeiro? Como se sentiu quando teve seu livro publicado?

Kami: O mercado editorial melhorou muito de uns anos pra cá, embora ainda seja difícil entrar numa casa editorial de renome. Mesmo assim, está bem mais fácil encontrar títulos brasileiros nas vitrines de uma livraria, e isso é ótimo! Porém, ser artista como um todo no Brasil é complicado, a desvalorização por parte do público e instituições é de doer (tomemos como exemplo o caso dos bailarinos do Rio, sem receber seus salários há meses). Financeiramente, para mim, não é viável viver da renda dos livros – até porque, a pirataria também atrapalha muito. Quem sabe um dia dê certo, né?

Euzinha: E por último, porque tem que ter, quais os planos para o futuro? Teremos novos livros incríveis para ler?

Kami: Os planos pro futuro são me formar! Hahaha, brincadeira (com um fundo de verdade…). Estou fazendo um curso de escrita criativa com a Socorro Acioli e comecei a desenvolver nele uma ideia antiga. Estou super empolgada! Vamos ver no que vai dar <3

Agradecimentos especiais à Kami por ter se disponibilizado por alguns minutos para essa entrevista, além de formar uma forte parceria com o blog. Muito feliz em firmar esse compromisso.

Para quem tem interesse em adquirir um exemplar do livro, ele pode ser comprado no site da editora Wish (https://www.editorawish.com.br/), que inclusive possui outros títulos que valem a pena dar uma olhada.