Livros
0comentários

Quer saber mais sobre Leia Organa? Pois venha comigo conhecer “Star Wars – Legado de Sangue”.

por em 18 de Março de 2018
Detalhes
 
Editora
Lançado em

2017

Nome original

Star Wars - Bloodline

Positivos

+ Informações relevantes do universo expandido;
+ Leia Organa;
+ Narrativa gostosa de ler;
+ Excelente aventura;
+ Bons personagens;

Negativos

- Repetição desnecessária de expressões;
- Faltou aprofundar a relação de Leia com as pessoas próximas a ela (Ben e Han);
- Temos pouca coisa da vida pessoal dela;
- Muito foco na construção da Primeira Ordem.

Avaliação do Editor
Pontuação Total

Deslizar para avaliar
Avaliação do Usuário
Pontuação do Usuário

You have rated this

Sinopse
 

Quando a Aliança Rebelde derrubou o Império, a princesa Leia acreditava que um longo período de paz iria começar. Mas o que se seguiram foram décadas de brigas sem fim e rixas partidárias no senado da Nova República. Leia, agora uma senadora influente, está perdendo a fé na política enquanto assiste seus colegas no senado, desesperados por mudanças, tomarem medidas que podem destruir o governo igualitário recém-criado. A última princesa de Alderaan torna-se a única esperança da democracia em seu momento mais frágil, mas o passado e o futuro com o lado sombrio da Força a perseguem. O treinamento Jedi de seu filho Ben a preocupa, especialmente depois que ele e Luke param de lhe mandar mensagens, e um dos maiores segredos da família pode vir à tona e colocar em cheque sua credibilidade.

 

Leia Organa é uma das personagens mais icônicas do cinema. Eternizada por Carrie Fisher no cinema, a princesa/senadora/general é lembrada por todos nós com carinho. Acompanhamos sua saga desde “Uma nova esperança”, e agora, com o novo cânone, temos mais chances de conhecer a fundo essa intrigante mulher com o livro “Star Wars – Legado de Sangue”, escrito por Claudia Gray, (que também lançou outros livros da franquia).

Aqui temos uma Leia senadora que vem atuando na política desde que a Rebelião venceu o Império, lutando para manter a Nova República boa e em paz. Porém, o problema é que já faz muito tempo (pelo menos duas décadas) desde que a tirania de Palpatine acabou, e o Senado não consegue entrar em consenso, dividindo-se entre os Populistas, que acreditam que cada planeta deveria cuidar dos próprios problemas, com pouca influência de um governo intergaláctico, que serviria apenas para manter a paz entre todos, e os Centristas, que acreditam que um poder centralizado no Senado é o mais acertado para todos. Exausta de tudo aquilo, Leia pensa em desistir. É quando acaba se envolvendo em investigações sobre um possível novo tráfico que pode ser perigoso para todos eles, e descobrindo que talvez a paz não vá durar tanto quanto ela imaginou. Além de ter que lidar com isso, a Senadora Organa tem que aguentar a saudade do marido, do filho, do irmão, e se desgastar em conflitos internos com o Senado. Para piorar, um grande segredo seu acaba sendo revelado, e pode mudar muitas coisas. Ou não.

Verdade seja dita, eu estava doente de vontade de ler esse livro depois que li a sinopse, pois ela implica que vamos ver uma Leia mãe, esposa e senadora em conflito, mas na verdade, os lados mãe/esposa são minimamente explorados, focando quase 100% no lado senadora da personagem, o que me decepcionou bastante. Não que a história seja ruim, longe disso, mas eu gostaria de entender melhor a distância que se criou entre ela e o filho, por exemplo, ou entre ela e Han – que aparece no livro, mas é tão meia boca, ele é tão deixado de lado, que chega a ser praticamente irrelevante. Ela até tenta inclui-lo em momentos importantes, mas parece que não sabe muito bem o que fazer com ele, e assim ele some de novo.

Apesar disso, Claudia Gray conseguiu captar o espírito de Leia, e vemos a sua já conhecida força reverberar em cada página, seu espírito de aventura, de justiça, sua sagacidade. Os outros personagens principais são também bem interessantes, o que é ótimo, porque eles poderiam ter sido eclipsados pela protagonista (Leia >>>>> todos).

Korr Sella chocada. Nós também ):

Temos Greer Sonnel, sua assistente pessoal e ex-pilota de corridas, que é uma mulher forte, leal e extremamente competente. Eu fiquei um pouco curiosa sobre ela, porque sua personagem não aparece nos filmes. Infelizmente, nada achei sobre ela, mas eu tenho a confirmação do destino da estagiária de Leia, Korr Sella, que aparece no livro para alguns momentos essenciais, mas sem ter muita função narrativa (mesmo que teoricamente faça parte do nicho principal do livro). Eu procurei no google o nome das personagens, para saber se por acaso elas tinham aparecido nos novos filmes, e, como eu disse, apenas sei de Korr, que é a moça que ganha um certo destaque no momento em que a Primeira Ordem está destruindo planetas em “O despertar da força” e ninguém sabia quem era.

Sobre a história em si, ela é boa. Traz uma intriga interessante, vai aprofundando e enveredando em caminhos sinuosos, e no fim, nos leva por um lado que supostamente não estávamos esperando. É meio que uma aventura investigativa. “Legado de Sangue” explica coisas sobre os novos filmes que não entendemos bem, e termina com um gancho maravilhoso para uma próxima leitura, para entender ainda mais o que aconteceu em seguida, até chegar em “O despertar da força”. No cânon, de acordo com minhas pesquisas, esse livro vem depois de “Star Wars – Dívidas de honra” (continuação de “Marcas da Guerra”, pertencente a trilogia Aftermath), e ainda tem algumas leituras depois dele antes de chegar no episódio VII.

Apesar de tudo isso, Claudia Gray tem uma mania horrível de repetir algumas coisas. Por exemplo, você passa pelo menos uns cinco capítulos tendo que ler, de instante em instante, que Leia está usando uma trança longa pelas costas. E a autora nem mesmo muda as expressões usadas, ela repete na cara de pau! Alguns finais de personagens são bem preguiçosos, mas eu entendo que não poderia estendê-los após servirem ao seu propósito nesse livro, visto que o “fim” da história já está escrito. Tudo o que a autora fizer, tem que ser em prol de chegar nos filmes sem ocorrer muitos furos, e eu acho que isso é uma coisa muito difícil, e até que ela conseguiu.

Star Wars – Legado de Sangue” é um livro gostoso de ler, com muitas informações pertinentes sobre a saga principal desse universo que tanto amamos. Mas não esperem saber algo sobre Ben ou Han Solo, vai ser só decepção. Claro, a autora fez um trabalho excelente nos lembrando que a princesa também é humana, possui fragilidades e fraquezas como todos nós, além de arrependimentos. Mas além disso, foquem na Leia senadora, e tudo ficará bem.