Filmes
0comentários

Crítica – Valerian e a Cidade de Mil Planetas

por em 9 de agosto de 2017
Detalhes
 
Ano de lançamento

2017

Título original

Valérian et la Cité des mille planètes

Duração

137 minutos

Roteiro

Luc Besson

Positivos

Efeitos visuais espetaculares
Ótima trilha sonora
Cena da dança da Rihanna (hahahahaha)

Negativos

Roteiro previsível
Atuação fraca do ator principal

Avaliação do Editor
Pontuação Total

Deslizar para avaliar
Avaliação do Usuário
Pontuação do Usuário

You have rated this

Sinopse
 

Para quem gosta do gênero ficção científica, talvez valha a visita ao cinema para conferir na tela grande os espetaculares efeitos visuais. Talvez para esse público eles compensem as falhas na atuação do personagem principal e as falhas na história e no roteiro do filme.

 

Baseado em uma revolucionária história em quadrinhos francesa que foi inspiração para o universo de Star Wars, estreia nesta quinta-feira, 10 de agosto, Valerian e a Cidade dos Mil Planetas. Confira aqui a nossa crítica.

Sinopse

No século 28, Valerian (Dane DeHaan) e Laureline (Cara Delevingne) formam uma dupla de agentes intergalácticos encarregada de manter a ordem em todos os territórios humanos. Sob a ordem do Ministro da Defesa, os dois embarcam juntos em uma missão para a surpreendente cidade de Alpha – uma metrópole em constante expansão, onde espécies de todo o universo dirigem-se para compartilhar conhecimento, inteligência e cultura um com os outros.
Há um mistério no centro da cidade, uma força escura que ameaça a existência pacífica da Cidade dos Mil Planetas. Valerian e Laureline devem correr para identificar a ameaça e proteger não somente Alpha, mas o futuro de todo o universo.




Crítica

Efeitos visuais

O grande destaque do filme são os efeitos visuais. Eles são realmente espetaculares e a ideia do diretor/roteirista de esperar a evolução dos efeitos visuais melhorarem para então adaptar a HQ para o cinema realmente faz sentido. As personagens feitos em CGI foram muito bem trabalhados e a cena do Grande Mercado ficou fantástica. Palmas para Industrial Light & Magic!

3D

Contudo, com relação à versão tridimensional do filme, podemos dizer que ela não passa de uma conversão da versão bidimensional, não possuindo nenhuma cena com profundidade ou proximidade, fazendo com que não acrescente nada a experiência do filme (a não ser no preço do ingresso, claro).

Roteiro

Para um filme que foi adaptado de uma história em quadrinhos que inspirou até o universo de Star Wars e que esperou a evolução dos efeitos visuais para ser feito, o roteiro deixou muito a desejar. Ele é fraco e totalmente previsível e a história só prende a atenção dos espectadores durante os 30 primeiros minutos. O romance entre as personagens principais é bastante forçado por não ter nenhum pano de fundo, sendo apenas parceiros que se apaixonam de uma forma inexplicável.

Atuação

Por falar nos atores principais, a escolha de Dane DeHaan para o papel principal não foi das melhores. A sua atuação é muito fraca, ao contrário da sua parceira Cara Delevingne que, surpreendentemente, faz uma atuação bastante honesta.

Trilha Sonora

A trilha sonora também é um ponto de destaque do filme. Ela conta com David Bowie (Space Oddity), Bob Marley (Jamming), Alexiane (com a ótima A Million on My Soul) e com a própria Cara Delevingne cantando (I Feel Everything). O link para o álbum no Spotify encontra-se abaixo:

Participação da Rihanna

A participação da cantora como Bubble foi bastante interessante, apesar de um pouco curta. O número de dança foi fantástico!

Conclusão

Para quem gosta do gênero ficção científica, talvez valha a visita ao cinema para conferir na tela grande os espetaculares efeitos visuais. Talvez para esse público eles compensem as falhas na atuação do personagem principal e as falhas na história e no roteiro do filme.

Trailer

Colaborou nesta crítica: Michele