Filmes
0comentários

Crítica: Uma Aventura LEGO 2

por em 8 de fevereiro de 2019
Detalhes
 
Ano de lançamento

2019

Título original

The Lego Movie 2

Duração

107 minutos

Positivos

- Qualidade de animação e dublagem;
- Boas referências;
- Diversão para toda a família.

Negativos

- Não tem o mesmo impacto que o primeiro;
- Ficou na zona de segurança e não trouxe muitas novidades.

Avaliação do Editor
Pontuação Total

Deslizar para avaliar
Avaliação do Usuário
Pontuação do Usuário

You have rated this

Sinopse
 

Cinco anos após os eventos do primeiro filme, a batalha contra inimigos alienígenas faz com que a cidade Lego torne-se Apocalipsópolis, em um futuro distópico onde nada mais é incrível. Neste contexto, Emmet constrói uma casa para que possa viver ao lado de Lucy, mas ela ainda o considera ingênuo demais. Quando um novo ataque captura não apenas Lucy, mas também Batman, Astronauta, UniKitty e o pirata, levando-os ao sistema planetário de Manar, cabe a Emmet construir uma espaçonave e partir em seu encalço. No caminho ele encontra Rex Perigoso, um navegante solitário que decide ajudá-lo em sua jornada.

 

Chega aos cinemas Uma Aventura LEGO 2, continuação direta do filme de 2014. Uma animação de comédia com classificação etária livre com uma proposta de ser um programa obrigatório para os pais levarem seus filhos.

Mas será que é tão incrível quanto o primeiro? Bem, vamos por partes.

Sobre o filme

Depois da grande surpresa que foi o primeiro filme, principalmente pela sua mensagem intrínseca, que não era nada sutil, este segundo aposta em uma mensagem diferente, mas de igual importância, cujo final do primeiro filme já deu um vislumbre.

Sobre a comédia, o filme segue o padrão do antecessor, com piadas físicas e diálogos simples para animar as crianças e, é claro, algumas referências para os pais não se sentirem tão deslocados. Então referências à Matrix, De Volta para o Futuro, Mad Max entre outros filmes, farão os mais velhos se divertirem neste longa.

E, é claro, teremos uma música chiclete também. Adaptada à nova realidade do filme, que vai em uma vibe um tanto diferente da do primeiro.

Claro que nem tudo são flores. O grande fator surpresa do seu antecessor, que foi a causa de muitas pessoas terem amado o filme, não teria possibilidade de existir aqui, e os diretores optaram por jogar na zona de segurança em relação à exploração das temáticas.

A dublagem está excelente. Tanto a original, em inglês, que traz grandes nomes do cinema, quanto a brasileira, dirigida pela lenda Guilherme Briggs. Uma pena que o mesmo esmero não foi utilizado na atuação dos personagens humanos, que é bem deplorável. Mas, por sorte, o tempo de tela deles é bem pequeno e acaba não atrapalhando a experiência do filme.

Considerações finais

Caso você tenha gostado do primeiro, tenha se afeiçoado com a proposta do filme e não espera grandes surpresas nesta continuação, talvez você goste ainda mais deste que do primeiro. O que foi o meu caso.

Sem dúvidas é um excelente programa para ir com as crianças no final de semana sem ficar entediado vendo um filme totalmente voltado para o público infantil.