Filmes
0comentários

Crítica – A Torre Negra

por em 24 de agosto de 2017
Detalhes
 
Ano de lançamento

2017

Título original

The Black Tower

Duração

95 minutos

Roteiro

Akiva Goldsman, Jeff Pinkner, Anders Thomas Jensen, Nikolaj Arcel

Positivos

Participação de Idris Elba

Negativos

Roteiro sofrível
Doutor Estranho do Mal do Matthew McConaughey

Avaliação do Editor
Pontuação Total

Deslizar para avaliar
Avaliação do Usuário
Pontuação do Usuário

You have rated this

Sinopse
 

O último pistoleiro, Roland Deschain (Idris Elba), tem travado uma batalha sem fim com Walter O'Dim, também conhecido como o Homem de Preto (Matthew McConaughey), determinado a impedir que ele chegue até A Torre Negra. Com o destino dos mundos em jogo, o mal e o bem vão colidir em uma batalha, na qual somente Roland pode defender a Torre do Homem de Preto.

 

A Torre Negra, filme baseado na série de livros de mesmo nome do autor Stephen King, estreia nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, 24 de agosto.

Para defender a Torre de Walter, Roland acaba recebendo a inusitada ajuda de Jake Chambers (Tom Taylor), um garoto traumatizado pela morte do pai e é atormentado por pesadelos sobre monstros em pele de humanos, uma colônia de crianças e o Homem de Preto.

Crítica

Roteiro

Esperava-se mais de um filme cujo roteiro foi adaptado de uma obra de um dos mais notáveis escritores do gênero terror, que nessa obra mergulha na fantasia, e um dos 10 autores mais traduzidos do mundo.

Por falar em fantasia, ele é pouquíssimo aproveitado ficando restrito apenas aos monstros em pele de humanos (que quase não mostram sua aparência original) e por monstros que acabam por invadir os mundos a partir de fendas que surgem quando a Torre Negra é atacada.

A construção dos mundos e dos personagens é pessimamente realizada, incluindo a do pistoleiro, que mesmo sendo a figura mais importante da série de livros que deu origem ao filme, é limitada apenas à cena da morte de seu pai.

O que resta do filme é um roteiro mal acabado e bastante infantil que transmite a sensação de que as lacunas foram deixadas propositalmente para que o filme ganhe uma continuação, o que é bastante improvável que aconteça haja vista as críticas que o filme vem recebendo mundo afora.

Elenco

Por conta do roteiro, o elenco que conta com Idris Elba, Matthew McConaughey, Dennis Haysbert (o David Palmer de 24 Horas) e Katheryn Winnick (a Lagertha de Vikings) foi totalmente subaproveitado.

O único destaque positivo do filme acaba sendo a boa participação de Elba, enquanto a imitação mal-feita de Doutor Estranho do mal de McConaughey destaca-se como um dos pontos negativos.

Cenas de ação

As cenas de ação são marcadas por um tiroteio incessante do pistoleiro cujas balas em seu mundo são escassas, mas ele não tem o menor pudor de atirá-las de qualquer jeito, inclusive contrariando o chamado “Credo do Pistoleiro”:

Eu não miro a mão. Aquele que mira com a mão esqueceu o rosto de seu pai. Eu miro com o olho.

Eu não atiro com a mão. Aquele que atira com a mão esqueceu o rosto de seu pai. Eu atiro com a mente.

Eu não mato com a arma. Aquele que mata com a arma esqueceu o rosto de seu pai. Eu mato com o coração.

Em uma dessas cenas, inclusive, mesmo depois de o roteiro incluir várias piadas com a ignorância do pistoleiro sobre as coisas na Terra (chamada de Mundo-chave), surpreendentemente ele joga um botijão de gás em cima de alguns atacantes e atira para explodí-lo.

Conclusão

É um filme estilo “Sessão da Tarde”, com roteiro sofrível com cenas de ação e pouca relação com o gênero fantasia que marcou a série de livros homônima.

Trailer