Filmes
0comentários

Crítica: Tomb Raider – A Origem

por em 14 de Março de 2018
Detalhes
 
Gênero
Ano de lançamento

2018

Título original

Tomb Raider

Duração

122 minutos

Roteiro

Geneva Robertson-Dworet e Alastair Siddons

Positivos

Filme fiel aos novos jogos da série (tem fan service sim)
Alicia Vikander é uma Lara Croft melhor que a Angelina

Negativos

Vilão "pau mandado" e com motivação fraca

Avaliação do Editor
Pontuação Total

Deslizar para avaliar
Avaliação do Usuário
Pontuação do Usuário

You have rated this

Sinopse
 

Trata-se de um filme que deve agradar os fãs do gênero ação, mostrando uma origem da personagem Lara Croft um pouco diferente da que conhecemos nos filmes anteriores e que deixa um gancho para uma futura continuação.

 

A origem de Lara Croft, protagonista da série de jogos de videogame Tomb Raider, é recriada para as telas do cinema em uma nova aventura que estreia nesta quinta-feira, 15 de março.

Sinopse

Lara Croft (Alicia Vikander) é a filha única do excêntrico aventureiro Lord Richard Croft (Dominic West), que desapareceu quando ela mal tinha chegado à adolescência.

Agora, com 21 anos, ela busca resolver o misterioso quebra-cabeças de sua morte, deixando tudo para trás em busca do último destino em que ele foi visto: o túmulo da lendária “Mãe da Morte” em uma mítica ilha possivelmente localizada ao longo da costa do Japão, no meio do chamado “Mar do Diabo”.
Ao chegarem à ilha, Lara e o marinheiro Lu Ren (Daniel Wu), acabam sendo capturados por mercenários contratados pela sociedade secreta Trindade, que tem o intuito de usar o poder da lendária rainha japonesa contra a humanidade.
Assim, Lara tenta impedir que os mercenários, liderados pelo arqueólogo Mathias Vogel (Walton Goggins), encontrem a tumba da rainha.

Crítica

Por se tratar de um filme de ação baseado em uma série de jogos de videogame, espera-se que ele traga vários elementos presentes nestes jogos. E um dos pontos positivos do filme é exatamente trazer o que os fãs de longa data esperam: fan service!
As cenas de ação que acontecem na ilha, lembram muito o último jogo da série, Rise of the Tomb Raider, em que a protagonista utiliza arco e flecha e um machado de escalada como armas, se defende de armadilhas e resolve quebra-cabeças ambientados.
Mesmo não sendo uma atuação que se diga ser digna de Oscar, outro ponto positivo do filme é a atuação de Alicia Vikander no papel de Lara Croft, sendo melhor, inclusive, que a antiga protagonista da série Angelina Jolie.
Ela vai bem tanto nas cenas de interação com outros personagens (até com sacadas engraçadinhas) quanto nas cenas de ação, onde mostra que seu treinamento para viver a personagem foi bem pesado.

O único ponto negativo a ser destacado neste caso é com relação ao vilão do filme. Sua única motivação é encontrar a tumba da rainha japonesa para que possa sair da ilha depois de 7 anos e reencontrar sua família.
Todas as suas ações são baseadas em ordens dadas pela Trindade e, por conta disso, em nenhum momento ele causa uma sensação de ameaça a Lara em sua jornada.

Conclusão

Trata-se de um filme que deve agradar os fãs do gênero ação, mostrando uma origem da personagem Lara Croft um pouco diferente da que conhecemos nos filmes anteriores e que deixa um gancho para uma futura continuação.

Trailer