Filmes
0comentários

Crítica: Professor Marston e As Mulheres-Maravilhas

por em 18 de dezembro de 2017
Detalhes
 
Ano de lançamento

2017

Título original

Professor Marston and the Wonder Women

Avaliação do Editor
Pontuação Total

Deslizar para avaliar
Avaliação do Usuário
Pontuação do Usuário

You have rated this

 

William Moulton Marston foi um homem à frente de seu tempo, para dizer o mínimo. Um ex-professor de psicologia de Harvard, inventor do polígrafo. Mas para nós nerds, ele sempre será “Charles Moulton”, criador da maior heroína dos quadrinhos, a Mulher Maravilha. Em “Professor Marston e As Mulheres-Maravilhas”, conhecemos a pitoresca história real de Marston, sua esposa Elizabeth e sua aluna Olive Byrne, retratando os fatos que os levaram a ter um relacionamento a três e que acabaram servindo de inspiração para a criação da Amazona.

Professor Marston e as mulheres-maravilhas

A história

Somos apresentados ao nosso protagonista observando uma fogueira com inúmeros exemplares de Mulher Maravilha sendo queimados.

Descobrimos que a Mulher Maravilha está sob a mira de censores, preocupados com o excesso de sadomasoquismo e uso da sexualidade feminina nos quadrinhos. A censora, interpretada por Connie Nielsen (que interpreta Hipólita, a mãe da Mulher Maravilha, nos filmes da DC), pega pesado nas perguntas. E é aí que somos levados aos anos 20, quando William e Elizabeth conhecem Olive Byrne, uma ingênua menina de 22 anos que se voluntaria para ser ajudante nas pesquisas do casal. Com a proximidade, Elizabeth, William e Olive se tornam amantes. Claro, isso não acontece sem sofrerem sanções. Toda a trajetória do trisal é mostrada desde seu início, passando pela criação de Diana de Themyscira e a cena do interrogatório até o falecimento de Marston.




Professor Marston e as mulheres-maravilhas

Atuações

Luke Evans está bem convincente como o pai da super heroína mais famosa do mundo. Bella Heathcoat transmite a inocencia necessária para Olive. No entanto, quem rouba a cena é Rebecca Hall no papel de Elizabeth. Capaz de transmitir qualquer emoção com apenas um olhar, Hall nos mostra uma mulher segura de si, o que nos anos 20 era uma afronta à sociedade. Sendo a parte mais realista do trisal, Elizabeth acabe sendo a personagem mais complexa. Talvez por isso, seu jeito reservado torne a atuação de Hall tão deliciosa.

Professor Marston e as mulheres-maravilhas

Conclusão

Uma bela história, digna de ser contada. Uma boa curiosidade para os fãs de Diana, a Mulher Maravilha. Um filme que se mostra muito mais do que se propõe a ser. Uma vida cativante, quebrando paradigmas e mostrando que nem tudo precisa ser tão preto e branco. Isso é o que ganhamos ao assistirmos “Professor Marston e As Mulheres-Maravilhas.”

Professor Marston e As Mulheres-Maravilhas

Elenco: Luke Evans, Rebecca Hall, Bella Heathcoat
Dirigido por: Angela Robinson
Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=r991pr4Fohk
Em cartaz desde o dia 14 de dezembro de 2017.