Filmes
2comentários

Crítica: John Wick – Um Novo Dia para Matar

por em 14 de fevereiro de 2017
Detalhes
 
Ano de lançamento

2017

Título original

John Wick: Chapter Two

Duração

2h03min

Roteiro

Derek Kolstad

Positivos

Coreografia impressionante das sequências de ação
Ótimo trabalho com o jogo de câmeras
Locações muito bem escolhidas

Avaliação do Editor
Pontuação Total

Deslizar para avaliar
Avaliação do Usuário
Pontuação do Usuário

You have rated this

Sinopse
 

A continuação conseguiu o que tem se mostrado bastante raro nos filmes ao longo do tempo: ser melhor que o seu antecessor.

 

Depois de ter sido obrigado a deixar a aposentadoria para vingar a morte de seu cachorro, o lendário assassino de aluguel John Wick volta às telas do cinema numa arrasadora continuação. John Wick – Um Novo Dia para Matar estreia nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, 16 de fevereiro.

Sinopse

Depois de recuperar seu carro roubado pelos russos, o focado, comprometido e com muita força de vontade John Wick (Keanu Reeves) é forçado a deixar a aposentadoria para cumprir um juramento de sangue feito a Santino D’Antonio (Riccardo Scamarci), poderoso mafioso e assassino italiano. A sua missão acaba por levá-lo às Catacumbas de Roma para invadir e assassinar a dona de uma festa. Depois disso, John retorna para Nova York e uma recompensa absurdamente alta é colocada pela sua cabeça, fazendo com que ele não confie em mais ninguém e tenha que matar (muito) para sobreviver.




Crítica

A continuação conseguiu o que tem se mostrado bastante raro nos filmes ao longo do tempo: ser melhor que o seu antecessor. Dizer que o filme é “mais do mesmo”, neste caso, é um baita elogio. John Wick volta mais mortal e sanguinário e praticamente dobra o banho de sangue do primeiro filme.




Com as ações sendo realizadas tanto em Roma quanto em Nova York, o longa mostra uma nova dimensão e escala da rede do crime organizado apresentado anteriormente. As locações utilizadas nas gravações das duas cidades são muito bem utilizadas como pano de fundo para a ação desenvolvida e agregam bastante visualmente.

As sequências de ação do filme impressionam tanto pela coreografia acrobática e emblemática, quanto pelo trabalho realizado pela direção com o jogo de câmeras. Em algumas cenas, o absurdo chega a levar a platéia ao riso, tornando-se uma experiência muito interessante.

O filme ainda conta com a participação de Laurence Fishburne como o rei do crime underground de Nova York que pode animar os fãs da trilogia Matrix.

John Wick é um vislumbre dos saudosos filmes de ação dos anos 80 nos dias de hoje. Tanto pelas cenas de luta, como pelos tiroteios e pelas perseguições em carros potentes (coitado do Mustang 1969 do John).

Trailer

 




Ei Geek, comenta ai!

comentários

comentários
 
Deixe uma resposta »

 
  • Rogerio Ribeiro da Silva
    1 de março de 2017 at 22:26

    Matéria de Google Tradutor?
    Pode sim automatizar a tradução, porém deve-se revisar para ver se está correta e se faz sentido.

    Responder

  • Gabriel
    2 de março de 2017 at 11:20
    Positivos
    Nenhum.
    Negativos
    - Texto pessimamente traduzido - Propaganda enganosa

    Esqueceu de dar os créditos ao Google Tradutor. E de explicar porque um homem estaria sendo hospitalizado por conta disso.

    Responder

Deixe uma resposta