Filmes
Filme Pipoca
0comentários

“Chocante”: a boyband que você precisa conhecer!

por em 4 de outubro de 2017
Detalhes
 
Ano de lançamento

2017

Título original

Chocante

Duração

94 minutos

Roteiro

Bruno Mazzeo, Luciana Fregolente, Luiza Yabrudi, Marcelo Vindicato, Pedro Neshling, Rosana Ferrão

Positivos

+ Divertido
+ Engraçado
+ Bons atores
+ Músicas que grudam na cabeça

Negativos

- Final abrupto
- Faltou um mínimo de desenvolvimento

Avaliação do Editor
Pontuação Total

Deslizar para avaliar
Avaliação do Usuário
Pontuação do Usuário

You have rated this

Sinopse
 

Os anos 1990 marcaram o sucesso da boy band brasileira Chocante. Vinte anos mais tarde, o grupo acabou, e Clay (Marcus Majella), Tim (Lúcio Mauro Filho), Téo (Bruno Mazzeo), Toni (Bruno Garcia) e Tarcísio tomaram rumos diferentes na vida. Os antigos colegas se reúnem para um evento inesperado: a morte de Tarcísio. No funeral, eles decidem se apresentar mais uma vez, em nome dos velhos tempos. No lugar do falecido colega, entra o novato Rod (Pedro Neschling).

 

          

Nos anos 90 começaram a pipocar Boys Band. Claro que não foi o início de tudo. De acordo com a Wikipédia, desde o século dezenove tínhamos o que poderia se chamar de “boysband”, com quartetos de barbearia que se apresentavam acapella. Nos anos 60 tivemos grupos marcantes, como “Jackson 5”, que teria sido o precursor do número da sorte das próximas boybands: o número cinco. Nos anos 70 e 80 esbarramos em Menudo (que é de 77, por isso seu sucesso maior se deu nos anos 80), News Kids on the block e outros. Mas do que mais nos lembramos? (Ou pelo menos, as pessoas com quem eu convivo) Das boybands dos anos 90. Backstreet Boys, N’sync, Os Hansons! Claro que hoje em dia boybands ainda são extremamente populares, como podemos ver com o sucesso de One Direction, Jonas Brothers (que agora atuam separadamente, amém), e várias boybands de Kpop. Mas, e no Brasil? Rolou?! Claro! Como esquecer Dominó, Polegar, Bro’z, KLB?  E trazendo a nostalgia disso tudo, temos o filme “Chocante”!

O filme trata de um grupo de amigos que já foram parte de uma boyband que fez muito sucesso, por exatos 8 meses, nos anos 90. Clay (Marcus Majella), Tim (Lúcio Mauro Filho), Téo (Bruno Mazzeo) e Toni (Bruno Garcia) se reúnem depois de vinte anos, no velório de um dos antigos membros. Com essa inesperada reunião, eles vão começar a relembrar dos antigos e bons tempos, e começar a comparar com a vida chata que levam, seus empregos fracassados, e a desejar os passados dias de glória. E resolvem tentar mais uma vez, como quem não quer nada.

“Chocante” é um filme bastante divertido. Os personagens são leves, as piadas são boas e trazem muita nostalgia (inclusive, tudo começa com duas fã girls assistindo ao programa do Gugu!). É interessante o equilíbrio que trouxeram para a história, mostrando a vida de cada um separadamente, o modo como eles sempre tentam parecer bem-sucedidos um para o outro, e depois a união deles.

Infelizmente, “Chocante” tem alguns problemas narrativos, e o final é extremamente abrupto. Tem algumas cenas que ficaram muito em aberto, sem um final. A construção de vários personagens foi muito bem bolada, mas o desenvolvimento ficou péssimo. Eu entendo que seja um filme de comédia, mas eles abriram muitas portas e deixaram lá, escancaradas. Pra mim, a pior construção foi a do Tim. Eu não vou explicar exatamente o motivo, pois seria spoiler, mas se alguém mais se incomodar com isso, por favor levante a mão para eu saber.

Mas, no final das contas, ainda vale a pena assistir pelo fator diversão. Tem outros personagens além dos principais, como a Quézia (Débora Lamm), que é a maior fã deles, e o quinto elemento do grupo, Rod, interpretado pelo Pedro Neshling. As gargalhadas são basicamente garantidas, e se você não estiver esperando nada mais além disso, esse é o filme que você deve escolher.

Trailer: